Sagaranagens de Artur Rimbaud o Traficante de Escravas Brancas


29/05/2006


sagaraNAgens fulinaímicas

 

guima meu mestre guima

em mil perdões eu te peço

por esta obra encarnada

na carne cabra da peste

da hygia ferreira bem casta

aqui nas bandas do leste

a fome de carne é madrasta

 

ave palavra profana

cabala que vos fazia

veredas em mais sagaranas

a morte em vida severina

tal qual antropofagia

teu grande serão vou cumer

 

nem joão cabral severino

nem virgulino de matraca

nem meu padrinho de pia

me ensinou usar faca

o da palavra o fazer

 

a ferramenta que afino

roubei do mestre drummundo

qaue o diabo gira mundo

é o narciso do meu ser

 

artur gomes fulinaíma

http://arturgomes.zip.net

 

Escrito por artur rimbaud às 10h48
[ ] [ envie esta mensagem ]

com quantos silêncios se faz uma palavra?
artur gomes

Quanto silêncio é preciso
para fazer um poema

o silêncio da saudade e das portas
da imaginação, do mundo
do vento, das águas e dos gatos
o silêncio do branco
muito ruído para nada
silêncio, silêncio, o silêncio
e algumas palavras

cristiane grando

cuánto silencio es preciso
para hacer un poema?
A Artur Gomes

el silencio de la soledad y de las puertas
de la imaginación, del mundo
del viento, de las aguas y de los gatos
el silencio del blanco
mucho ruido para nada
silencio, silencio, el silencio
y algunas palabra


cristiane grando
traducion: leo lobos
www.letras.s5.com/archivoleolobos.htm
http://arturgomes.zip.net
http://grandolobos.blogspot.com

 

 

Escrito por artur rimbaud às 10h45
[ ] [ envie esta mensagem ]
Busca na Web: